Ano fiscal: o que é e qual a sua importância?

4 minutos para ler

Quer seja para controle interno, cumprimento de obrigações legais ou envio de informações para investidores, é muito importante que os empreendedores saibam o que é o ano fiscal ou exercício fiscal.

O período é a chave para acompanhar os resultados e identificar problemas antes que eles gerem prejuízos para o negócio. Assim sendo, serve para definir objetivos, metas e estratégias. Isso é relevante porque a falta de planejamento está entre as principais causas de mortalidade das empresas.

Então, continue a leitura deste conteúdo para saber mais sobre o ano fiscal. A partir daí, você poderá se organizar e gerir a sua empresa com mais eficiência! Acompanhe.

O que é o ano fiscal?

O também chamado exercício fiscal ou exercício social corresponde ao período em que se apura o desempenho do negócio, principalmente o lucro empresarial. Assim, após o seu fechamento, é emitida a demonstração de resultados do exercício (DRE) e o balanço patrimonial (BP).

No Brasil, a legislação autoriza a definição em estatuto. No entanto, como a legislação de Imposto de Renda estabelece a cobrança sobre valores apurados de 1º de janeiro a 31 de dezembro, a quase unanimidade das empresas segue esse período para evitar retrabalhos.

Vale ressaltar que, muitas vezes, o ano fiscal não coincidirá com o ciclo operacional, ou seja, com o período entre a compra da mercadoria e o efetivo pagamento da venda. Por exemplo, enquanto uma lanchonete compra e vende produtos no mesmo mês, uma construtora pode levar mais de 1 ano para entregar a obra.

Qual é o objetivo do exercício fiscal?

O período é a base para levantar a contabilidade da empresa, verificando os direitos e as obrigações. Com efeito, realizar um fechamento correto e emitir todos documentos têm os seguintes objetivos:

  • possibilitar o cumprimento de obrigações legais, especialmente os tributos;
  • facilitar a compreensão do desempenho da organização;
  • subsidiar as projeções de fluxo de caixa, ponto fundamental em PME’s;
  • comprovar a situação da empresa para efeitos de regime tributário;
  • fornecer dados para parceiros e investidores.

Sendo assim, o ano fiscal é relevante tanto do ponto de vista legal como do empresarial. A partir dele, o empreendedor cumpre suas obrigações e toma decisões sobre os rumos da empresa.

Como se preparar para o ano fiscal?

Para realizar uma boa contabilidade, a empresa deve manter comprovantes de tudo o que for lançado em seus registros. Se você afirma que efetuou uma compra no livro caixa, deve haver uma nota fiscal representativa da operação, por exemplo.

O primeiro cuidado, portanto, diz respeito a organizar a gestão dos documentos durante o ano. Pense no seguinte: como, onde e de que forma as operações da empresa serão arquivadas?

Atualmente, mesmo PME’s podem contar com softwares que simplificam os registros e fazem a gestão das notas fiscais, o que é uma boa alternativa para o seu negócio.

Lembre-se também de manter os livros da empresa atualizados, preferencialmente em meio digital. Embora as pequenas e médias empresas tenham uma escrituração mais simples, sempre é complicado apurar todas as variações ocorridas no ano fiscal em cima da hora.

Como ficam os tributos?

O ideal é estabelecer um planejamento tributário alinhado com o exercício fiscal. Afinal, além de impostos, taxas e contribuições corresponderem à boa parte das obrigações a serem quitadas durante o ano, há diversas situações que precisam ser comprovadas perante o fisco.

Nesse sentido, os regimes tributários — lucro real, lucro presumido e Simples Nacional— se baseiam no desempenho da empresa em termos de faturamento e lucro. Logo, é importante ter informações organizadas para se manter na modalidade mais favorável.

Sendo assim, agora que você já sabe o que é o ano fiscal, é possível concluir que uma boa gestão de documentos e o planejamento tributário devem caminhar juntos para a empresa fechar o exercício social sem dores de cabeça.

Para entender um pouco mais sobre a gestão de documentos e complementar sua leitura, aproveite a visita e leia nosso texto sobre os riscos de vender sem nota fiscal!

Fabrício da Silva 

CEO | Comercial 

FDS Economia Tributária & Blindagem Patrimonial 

fabricio@fdstributario.com.br

Posts relacionados

Deixe uma resposta